Quando a praga me pregou uma partida (III)

Voltámos a correr para o hotel. E a voar para a estação. Queríamos dois bilhetes para Praga. Mas o comboio já partiu. Então queremos dois bilhetes para Praga, no próximo comboio. Mas o próximo comboio nunca mais aparecia… Sentámos-nos nos bancos de madeira. E tentámos relativizar. Ainda nos estávamos a conhecer… Eu não sei relativizar.

Esperámos tanto tempo que tinha as costas feitas em madeira. Ouvimos um barulho parecido a um comboio. Saltámos do banco e atravessámos a linha. Sim, em Kutná Hora para apanhar o comboio as pessoas plantam-se no meio da linha – literalmente. Juro. Fizemos sinais, mímicas. Risos. Mas nada funcionou. Queríamos saber se o comboio ia para Praga. Visto que na estação não havia muita informação. Esquece. Entramos no comboio e saímos em Praga…Confortáveis, entre quatro pessoas, frente a frente, num corredor minúsculo, apanhámos lugar. Entre indecisão e riso, esperávamos chegar a Praga a tempo de descobrir a cidade. Fomos descobertos uma meia hora depois.

Eles queriam ter a certeza que éramos franceses – mas não, já disse, não somos franceses. Começaram a puxar conversa. Queriam saber onde íamos. Eu disse logo, vamos para Praga (finalmente). De repente tinha a sensação que o comboio olhava para nós… Era impressão minha. Mas aqueles jovens turistas estavam mesmo a rir-se? Sim? Então… este comboio vai para Brno. Desculpe? Vai para onde? Ah, tudo bem. Mas isso é a caminho de Praga, com certeza. Nós saímos em Praga. Ele calou-se. Nós calámos-nos. Eu encostei-me. Ele encostou-se.

O problema foi essa palavra. Brno. Eu tinha visto que isso era a outra cidade. E que a outra cidade ficava no sul. Ou no norte, sei lá. Mas no lado oposto! O melhor é procurar alguém. Não, dizia o L. O melhor é esperar. Não esperámos muito, chegou o controlador. O pica-bilhetes. E começou a fazer um sorriso maroto. Nem tentou falar em checo. Foi logo em inglês, para percebermos que ele sabia que nós sabíamos. E vocês vão para onde? Ah… nós vamos para Praga. E vocês vêm de onde? Nós vimos de Paris. Não. Vocês vêm de qual cidade? Ah, nós estávamos em Kutná Hora. Mas… era por engano, meu. Queremos ir para Praga. Então se querem ir para Praga o que é que estão a fazer neste comboio? Como assim? Neste comboio? Nós perguntámos, ninguém nos disse nada. Esperámos tanto tempo, que apanhámos o comboio… (to be continued)

ryanmcguire_pragaIII

Imagem Editada ©Ryan McGuire
Anúncios

Um comentário em “Quando a praga me pregou uma partida (III)

  1. Pingback: Battistta

Deixa o teu comentário !

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s